05/12/2019

Fake news sobre vacinas: um risco à saúde!

Quando falamos em fake news, a primeira coisa que costumamos pensar é em política, sobretudo durante as eleições. No entanto, podemos encontrar desinformação sobre muitos outros tópicos em redes sociais, incluindo aqueles relacionados à área da saúde, como as vacinas.

Neste post, nós explicaremos por que as fake news sobre vacinas são tão perigosas e podem colocar os membros mais vulneráveis da nossa população em risco, e apresentaremos a campanha #FactsMatter. Nela, você pode contribuir com o nosso trabalho e ajudar a criar uma ferramenta que usa tecnologia de ponta para o combate à desinformação no Brasil. Confira!

Por que as fake news sobre vacinas representam um perigo para a população?

Vacinas são uma questão de saúde pública. Quando uma pessoa decide não se vacinar, ela não é a única afetada. 

Isso ocorre pois o objetivo das vacinas não é proteger uma única pessoa, mas sim criar a chamada imunidade coletiva. Se a maioria da população está imunizada, isso torna muito mais difícil que a doença se espalhe e atinja os que ainda estão suscetíveis, como recém-nascidos e pessoas com deficiências no sistema imunológico. Assim, essa parcela vulnerável da população também fica protegida.

No entanto, cada vez mais pessoas estão deixando de tomar as vacinas devidas. O Brasil era considerado um país livre do sarampo, por exemplo, mas perdeu esse status após mais de 10 mil casos terem sido registrados entre 2018 e 2019. Em 2015, 96% das crianças brasileiras eram imunizadas contra o sarampo. Em 2019, a taxa caiu para 57%.

Segundo pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm), em parceria com a ONG Avaaz, 13% dos entrevistados afirma que já deixou de se vacinar ou de vacinar uma criança sob seus cuidados. As principais razões apontadas por esses 13% foram não achar que vacinas são necessárias (31%) e medo de ter efeitos colaterais graves (24%).

Mesmo que exista consenso entre a comunidade médica de que vacinas são absolutamente necessárias e que casos de efeitos colaterais sejam raríssimos, parte da população ainda não está convencida. A razão? 48% dos entrevistados disseram que plataformas como Facebook, YouTube, Instagram e WhatsApp são suas principais fontes de informação em relação às vacinas!

Como combater as fake news sobre vacinas?

Em redes sociais, fake news sobre vacinas se propagam com extrema rapidez, dizendo que vacinas causam autismo ou outras doenças graves, ou que contém substâncias químicas prejudiciais à saúde, como o mercúrio. Em um vídeo altamente compartilhado, afirma-se até mesmo que “estão colocando o vírus do câncer” nas vacinas.

O compartilhamento massivo desses conteúdos causa desconfiança, medo e confusão no público. Ainda segundo a pesquisa da SBIm, 67% da população brasileira acredita em pelo menos uma informação imprecisa sobre vacinas.

Para combater a disseminação de fake news, precisamos de ferramentas mais adequadas. O trabalho de agências de checagem de notícias é extremamente importante, mas não consegue acompanhar a velocidade com que conteúdos falsos são compartilhados ou de fato tomar providências para que os criadores e divulgadores de desinformação sejam responsabilizados.

É por isso que a OriginalMy deu início à campanha #FactsMatter e está construindo a melhor ferramenta para acabar com as fake news no Brasil.

O que é a campanha #FactsMatter e como você pode contribuir

A #FactsMatter é a campanha de financiamento coletivo da OriginalMy. Nós estamos levantando recursos para tornar a ferramenta PACWeb, que utiliza a tecnologia Blockchain para a coleta de provas de conteúdos online, ainda mais poderosa no combate à desinformação nas redes sociais.

A ferramenta atual já foi reconhecida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo como “hábil a comprovar a veracidade e existência” das provas coletadas, e normalmente é utilizada por advogados. O que nós precisamos fazer agora é adicionar uma camada de inteligência artificial que faça a checagem de fatos, detecte a origem das publicações falsas e possa notificar os usuários de que o conteúdo visualizado é potencialmente enganoso.

Com a ferramenta aprimorada, nós iremos contribuir para que conteúdos falsos, como é caso do publicações enganosas sobre vacinas, parem de ser disseminados e coloquem a saúde da população em risco.

Sobre a OriginalMy

A OriginalMy é uma plataforma pioneira e inovadora, que desde 2015 trabalha para provar a autenticidade das coisas, das pessoas, dos documentos. Nós usamos o que existe de mais moderno na tecnologia para garantir a integridade e transparência das informações, de modo que as pessoas possam tomar decisões fundamentadas e conscientes.

Esse trabalho nos torna uma startup premiada e reconhecida internacionalmente. Nós fizemos parte do programa de residência do Google por dois anos e fomos reconhecidos pela ONU como uso de caso da tecnologia Blockchain para impacto social, assim como pela União Europeia. Também fomos citados em diversos trabalhos acadêmicos pelo mundo e convidados pelo governo da Estônia para apresentar nossas soluções para governança digital.

 

Quer contribuir por uma saúde sem fake news? Então vem com a gente para a campanha #FactsMatter!
Clique e saiba quais as recompensas ao contribuir com o projeto.
Reforce sua caminhada pela Verdade e pela Justiça!